terça-feira, 30 de maio de 2017
Encontro de Vereadores e Vereadores, em São Luís (Foto: Gilson Teixeira)
Os parlamentares que participam do Encontro de Vereadores e Vereadoras nesta terça-feira (30), em São Luís, veem a iniciativa como uma importante ação para levar programas de sucesso para as cidades que representam.
No evento, o Governo do Maranhão está apresentando projetos e ações que têm grande potencial para ajudar as cidades.

A vereadora professora Sonia, de Poção De Pedras, diz que existem várias iniciativas apresentadas no Encontro que podem ser replicadas nas cidades: “Há várias informações para que saiamos inteirados e levarmos aos nossos municípios programas importantes”. Ela acrescenta ter se interessado particularmente por um projeto voltado à segurança da mulher.
“Tem sido uma ação pragmática, para conhecer as ações do Governo do Estado voltadas aos municípios. Estou me sentindo contemplado”, afirma o vereador professor Salis, de São José de Ribamar.
“Temos o privilégio tirar todas as nossas dúvidas com as secretarias”, diz vereador Chico Saúde, de Santo Amaro do Maranhão. “Aqui eu aprendi coisas que eu não sabia.”
O vereador Agnaldo Rocha, de São Mateus do Maranhão, afirma que as cidades podem aproveitar muitos dos projetos apresentados no evento. “É um encontro para beneficiar os nossos municípios.”
O vereador Alberto Carlos, de Chapadinha, diz que, além de conhecer os projetos do Governo do Estado, o evento também “é importante para promover a interação entre os Poderes Legislativos dos municípios maranhenses”.
“É um momento muito importante para nós, vereadores, que temos a missão imensa em representar a nossa população”, diz Aureamelia Soares, de Caxias.
Para o vereador Wellington Sousa, de Paço do Lumiar, o Encontro representa uma “ação de valorização do Legislativo”.
por ASCOM/SJR
O prefeito de São José de Ribamar, Luis Fernando, lançou nesta segunda-feira (29), o São João 2017 e garantiu que a festa popular da cultura maranhense será a maior de todos os tempos. O lançamento ocorreu durante reunião realizada com representantes dos movimentos folclóricas da cidade que contou ainda com vereadores e convidados.
Na oportunidade, o prefeito Luis Fernando anunciou o pagamento antecipado da primeira parcela dos cachês que serão destinados às brincantes protagonistas da festa, atitude que se repete a exemplo do carnaval.
São João é alegria, é a maior festa da nossa cultura popular, disse o prefeito ribamarense, “e aqui não será diferente, pois vamos realizar uma grande festa, a exemplo do carnaval, com organização, planejamento e pagando com muita responsabilidade e esforço, a primeira cota dos cachês para as agremiações já no dia 31, e a segunda parcela, logo após o São João”, detalhou.
A festança junina será realizada de 17 a 29 de junho. Já o tradicional Lava Boi que este ano completa 63 anos, será realizado nos dias 1 e 2 de julho. E também a exemplo do carnaval e lava pratos deste ano, onde não houve registro de incidente ou violência, o prefeito também garantiu um forte esquema de segurança para que as famílias possam se divertir e prestigiar as brincadeiras.
“Em todos os 21 pontos de arraias teremos um forte esquema de segurança para que as famílias tenham segurança e possam brincar de forma tranquila, prestigiando a cultura ribamarense”, garantiu.
O São João 2017, conta com o apoio do governo do estado e reune mais de 150 brincadeiras juninas espalhadas por toda a cidade, que este ano, terá 21 pontos de arraiais. Já o tradicional Lava Boi, também terá o mesmo esquema de segurança.
O secretário de cultura, Edison Calixto, explica que os arraiais deverão contemplar todos os pontos da cidade, “todos os arraiais foram pensados de forma estratégica para que a população possa brincar e acompanhar as brincadeiras com conforto e segurança”, disse.
Os circuitos juninos serão montados na Sede (Parque Municipal do Folclore Therezinha Jansen, na orla marítima), Vilas (Vila Flamengo), Matinha (sede do Bumba-Boi), Parque Vitória (Praça do Rodão), Panaquatira (Viva), Rio São João (Viva), Piçarreira (Viva), Nova Terra, Turiúba, Laranjal, Miritiua, Parque Araçagi, Parque Jair, Vila Sarney Filho, dentre outros.  O Lava Boi, que encerra oficialmente a temporada junina, e ocorrerá na sede do município.
Prefeita Talita garante insalubridade à Agentes Comunitários de Saúde, em Raposa
Os Agentes Comunitários de Saúde de Raposa amanheceram nesta terça-feira (30) com largo sorriso estampado no rosto. 

É que com a realização do pagamento da folha deste mês de maio, a prefeitura de Raposa, concedeu 10% de adicional de insalubridade nos proventos aos profissionais que atuam no município, o que garante um dinheiro extra nas contas dos ACS. 

A determinação partiu da prefeita Talita Laci (PCdoB), que pela atitude, dá um excelente passo na garantia dos direitos da categoria, projetando um significativo avanço na qualidade dos serviços prestados a sociedade raposense. “Agentes Comunitários estão engajados no trabalho de vigilância e promoção da saúde, portanto, a ação é um ato de reconhecimento aos relevantes trabalhos prestados por esses profissionais”, comentou a gestora. 

– Atribuições - O trabalho desempenhado pelos Agente é estratégico para o município, eles atuam nos domicílios de sua área de abrangência, entre as tantas atribuições, realizam mapeamento de sua área; Cadastros e atualização permanentemente das famílias; Identificam indivíduos e famílias expostos a situações e área de risco; Orientam as famílias para utilização adequada dos serviços de saúde, encaminhando-as e até agendando consultas, exames e atendimentos quando necessário. 

Além de realizar ações e atividades, no nível de suas competências, nas áreas prioritárias da Atenção Básicas, por meio da visita domiciliar, acompanhamento mensal de todas as famílias sob sua responsabilidade. 

E também desenvolvem ações de educação e vigilância à saúde, com ênfase na promoção da saúde e na prevenção de doenças. As informações são do blog DomingosCosta 
Sobe para 44,8 mil o número de desabrigados e desalojados por causa de enchentes em PE Informação foi repassada pela Coordenadoria de Defesa Civil, nesta segunda (29). Em Alagoas e Pernambuco, são 7 mortos e mais de 48 mil pessoas fora de casa. Criança morreu ao cair em açude, no Agreste pernambucano.

Por G1 PE

Coordenadoria de Defesa Civil de Pernambuco (Codecipe) informou, no início da noite desta segunda-feira (29), que subiu o número de pessoas afetadas pelas enchentes que atingiram 23 cidades no interior. São 44.801 moradores: 42.145 desalojados, que deixaram as residências, e 2.656 desabrigados, que perderam as casas. Até esta segunda de manhã, o número de pessoas afetadas pelas enchentes era de cerca de 30 mil No Nordeste, outras cidades foram castigadas pelas chuvas. 

Ao todo, foram sete mortos em acidentes com barreiras, sendo cinco em Alagoas e dois em Pernambuco, e mais de 48 mil pessoas sem habitação nos dois estados. Pernambuco e Alagoas tiveram 41 municípios afetados. Em Alagoas, 3.204 pessoas estão desabrigadas ou desalojadas em 18 municípios, segundo a Defesa Civil. Quatro pessoas desapareceram após soterramento e um corpo foi achado nesta segunda. Na Paraíba, as precipitações causaram transtornos. 

De acordo com a meteorologia, 64 cidades paraibanas encontram-se em zona de risco de alagamentos e deslizamentos de barreiras, segundo o Inmet. Pernambuco De acordo com o governo de Pernambuco, 15 cidades estão incluídas no decreto de calamidade pública, publicado no domingo (28). 

A população dessas áreas chega a 787.245 mil habitantes. Os municípios são: Rio Formoso, Ribeirão, Água Preta, Palmares, Catende, Maraial, Belém de Maria, Barreiros, Amaraji, Barra de Guabiraba, São Benedito do Sul, Cortês, Jaqueira, Gameleira e Caruaru. Segundo a Codecipe, a situação mais grave é de Rio Formoso e Belém de Maria. 

As chuvas também ocasionaram duas mortes em Lagoa dos Gatos, e duas pessoas estão desaparecidas em Caruaru. Na cidade, no Agreste, uma criança morreu ao cair em um açude. De acordo com o governador, há 16 sistemas de abastamento de água paralisados, atingindo 2,2 milhões de pernambucanos. No domingo, em reunião com o governador Paulo Câmara (PSB), no Palácio do Campo das Princesas, o presidente da República, Michel Temer, autorizou o envio de ajuda humanitária para atender as cidades pernambucanas em estado de calamidade devido às fortes chuvas que caíram nos últimos dias, na Zona da Mata Sul e no Agreste do estado. 

E se comprometeu com a liberação de uma linha de crédito de R$ 600 milhões, junto ao BNDES, para obras no estado. Solidariedade Para ajudar as famílias que perderam praticamente tudo nas enchentes, diversas instituições e entidades realizam arrecadação de alimentos não perecíveis e objetos de higiene pessoal. Há pontos de coleta no Recife, em Olinda e nos 15 câmpus do do Instituto Federal de Pernambuco (IFPE). 

Entenda as fortes chuvas No Nordeste, as chuvas ocorrem por causa de um fluxo de vento que vem do oceano carregado de ar úmido, formando nuvens carregadas na costa e na Zona da Mata. De acordo com o meteorologista Celso Oliveira, da Somar Meteorologia, trata-se de um sistema chamado onda de leste, comum nesta região no outono e inverno.

Água acumulada 

Barragem de Pirapama, no Cabo de Santo Agostinho, está no limite de sua capacidade (Foto: Reprodução / TV Globo) 
As chuvas que caem no Grande Recife desde a quinta-feira (25), são responsáveis pelo acúmulo de água nas barragens que garantem o abastecimento na capital pernambucana e na Região Metropolitana. Dos quatro reservatórios, Pirapama, no Cabo de Santo Agostinho, foi o que mais registrou aumento. Em cinco dias, o nível subiu 27,87%.

De acordo com a Companhia Pernambucana de Saneamento (Compesa), na quinta-feira (25) o nível do reservatório estava em 46,06%. No domingo (29), Pirapama registrava 73,93% da capacidade. Saúde Diante das enchentes provocadas pelas fortes chuvas que caíram no estado nas últimas horas, a Secretaria Estadual de Saúde (SES) alerta a população pernambucana para o consumo de água. A preocupação das autoridades é com a possível contaminação e a possibilidade de transmissão das hepatites A e E, febre tifoide e cólera, além de diarreias agudas. 

Por isso, o governo orienta os moradores das áreas atingidas sobre cuidados que devem ser tomados. Obras Nesta segunda, o presidente da Agência Pernambucana de Águas e Clima (Apac-PE), Marcelo Asfora, afirmou que a conclusão de quatro das cinco barragens projetadas há sete anos pelo governo de Pernambuco para evitar enchentes na Zona da Mata é essencial para o funcionamento do sistema de contenção de rios na região. Segundo ele, caso as unidades tivessem sido finalizadas, seria possível reduzir a força da cheia.

Contatos

Whatsapp: 98-988916524


E-mail: folhadomunicipio@hotmail.com

Facebook

Rádio Timbira

banner: radio timbira

Navigation