Mais policiais, mais viaturas e mais equipamentos: basta comparar como era a segurança até 2014 e como é hoje
“Basta comparar!”. Esse é o slogan usado pela publicidade do governo Flávio Dino para mostrar os avanços que o Maranhão vem tendo nos últimos três anos. E em qualquer área que se faça uma confrontação com a ex-governadora Roseana Sarney, o saldo é positivo em favor do atual governador. Principalmente na segurança pública.

Nos últimos anos do seu governo, além de ver uma escalada preocupante no que diz respeito ao aumento da violência, Roseana Sarney foi protagonista de cenas jamais vistas na história do Maranhão. Cabeças degoladas nos presídios, ônibus queimados com pessoas dentro e toques de recolher dos bandidos marcaram o trágico último mandato da ex-governadora.

O presídio de Pedrinhas foi pauta internacional com as suas cenas de barbárie medieval, e o Maranhão exemplo de péssima administração na área da segurança. Até mesmo intervenções federas tiveram que ser feitas para reestabelecer a ordem no estado, já que as facções criminosas tomaram conta implantando terror na capital São Luís.

Recebendo como herança uma Polícia esfacelada, sem infraestrutura e com o menor contingente do país, Flávio Dino priorizou os investimentos em segurança pública e colheu frutos importantes durante a sua gestão. Além da diminuição estratosférica nos índices de criminalidade em relação a sua antecessora, hoje o Maranhão é reconhecido como um dos exemplos de diminuição da violência em um país que vê a insegurança crescer com o aumento da crise econômica.

Em Março deste ano, a organização de sociedade civil mexicana Segurança, Justiça e Paz divulgou que São Luís havia deixado a lista das 50 cidades mais violentas do mundo. Depois de anos figurando na relação, a capital maranhense reflete os investimentos feitos na área da segurança e os resultados.

Em pouco mais de três anos, os números atestam e a melhora na segurança pública do Maranhão é notória. Quando se compara a atual situação, com a época de Roseana, a diferença é maior ainda. É claro que ainda não é o ideal. A insegurança é um problema crônico do Brasil.

Mas se continuar nesse ritmo, o Maranhão será ainda mais reconhecido por seu avanço na segurança pública. A comparação com os governantes do passado chega até a ser desleal.