O pré-candidato do Solidariedade a prefeito de São Luís, Carlos Madeira, fez hoje (15) uma visita ao governador Flávio Dino (PCdoB) no Palacio dos Leões.

O encontro ocorreu no mesmo dia – e apenas horas depois – em que o juiz federal aposentado filiou-se ao Solidariedade, partido que é comandado no Maranhão por Simplício Araújo, secretário de Dino.

Aliás, a proximidade do partido com Palácio dos Leões sucitou muitos questionamentos a Madeira, sobretudo relacionados à possibilidade de sua pré-candidatura ser mais uma ligada aos comunistas maranhenses.

Ele negou veementemente.

“Não serei um candidato de oposição ao Governo do Estado, porque o que está em disputa é a eleição municipal, mas não ficarei em cima do muro, porque quem fica em cima do muro apanha dos dois lados. Então, eu tenho posição: a minha posição é em favor da gestão. Se para fazer gestão tiver que mostrar pontos que eventualmente possam atingir A ou B, na perspectiva do debate, isso será posto, eu não terei medo”, declarou.

E reforçou: “Se para fazer gestão significa desconstituir discursos que estão montados que possam eventualmente contrariar A ou B isso será feito. Eu coloco minha cara, nesse contexto, na vitrine”.

Ele ressaltou que, embora agora filiado a um partido comandado no estado por um auxiliar do governador Flávio Dino (PCdoB), isso não significa atrelamento.

“Eu estou acreditando, firmemente, que ele [Simplício Araújo], independentemente de ser secretário de Estado, tenha o comando do partido para não permitir que o partido, eventualmente, deixe de entregar a legenda para que nós possamos ser candidatos. Embora eu tenha um imenso respeito pelo governador Flávio Dino, não me sinto dentro deste arco do governador. E não poderia fazê-lo. O governador Flávio Dino, pelo que eu tenho lido nos jornais, tem um candidato que é do seu partido, o PCdoB”, completou.