Enganou-se quem imaginou que o presidente da República, Jair Bolsonaro, fosse recuar do seu novo posicionamento diante da pandemia do novo coronavírus após as críticas recebidas.

Durante a manhã desta quarta-feira (25), em coletiva. Bolsonaro reafirmou seu posicionamento e alegando que o isolamento horizontal vai criar uma crise econômica e gerar desemprego, o que poderia levar a conflitos sociais e abalo na democracia, passou a defender o isolamento vertical e não mais o isolamento horizontal.

“Eu me exponho porque quero levar uma mensagem de paz e tranquilidade. Alguns poucos governadores e poucos prefeitos estão arrebentando o Brasil e destruindo empregos. Não tem como desassociar a economia desse momento. A saída é o isolamento vertical, isolar os idosos e quem por ventura adoecer, o restante da população tem que voltar a sua rotina normal”, defendeu.

O isolamento horizontal, que tem sido adotado no Brasil, é o isolamento geral. Já o isolamento vertical, defendido por Bolsonaro, isolaria apenas o grupo de risco e as pessoas que fossem contaminadas pelo novo coronavírus.

Bolsonaro disse que ainda nesta quarta-feira vai se reunir com o ministro da Saúde, Luís Henrique Mandetta, e vai sugerir a ideia do isolamento vertical. Além disso, o presidente vai se reunir, por video conferência, com os governadores da região Sudeste.