Dados divulgados nesta segunda-feira (13) são de servidores que trabalham em unidades estaduais de saúde do Maranhão.
Por Rafaelle Fróes, G1 MA — São Luís, MA
A Secretaria de Estado da Saúde (SES) informou nesta segunda-feira (13) que o Maranhão possui 64 profissionais da área da saúde que testaram positivo para a Covid-19. Os servidores infectados trabalham em hospitais da rede estadual e estão afastados das suas atividades.

Um profissional da saúde veio a óbito, segundo a SES. A paciente é a auxiliar de enfermagem Maria Madalena Barbosa Souza, de 61 anos, que morreu no domingo (12). Ela trabalhava na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do Vinhais e no Hospital Municipal Djalma Marques (Socorrão I) em São Luís.

Por conta do risco de contaminação, causado pelo contato com pacientes com suspeita de infecção por Covid-19, a secretaria destinou o atendimento exclusivo para os servidores da área da saúde no Centro de Testagem da Beira-Mar, em São Luís. O local funciona de segunda a sexta-feira, durante o dia e, tem capacidade realizar até 250 coletas diárias.
O número de casos de profissionais da saúde infectados por Covid-19 pode ser bem maior, já que os dados divulgado pela SES se refere somente aos que trabalham na rede estadual. Em São Luís, por exemplo, existem três grandes hospitais da rede privada que estão recebendo e tratando pacientes com o novo coronavírus.

Em entrevista à TV Mirante, a enfermeira Ana Rosa Lindoso, que trabalha em dois hospitais da rede privada, afirmou que começou a perceber os sintomas semelhantes à Covid-19 ainda durante o expediente. Ela procurou por ajuda médica, realizou exames e foi afastada. Nove dias após o afastamento, a enfermeira recebeu a confirmação que estava infectada com o novo coronavírus.
Recuperada da doença, ela afirma que teme pelos outros colegas que trabalham na área e que estão ficando doentes por conta da Covid-19. A enfermeira afirma que mesmo após ter sido curada, tem medo de ser contaminada novamente durante o trabalho e com isso, acabar contaminando outras pessoas.

“A preocupação maior neste momento são com os profissionais da área da saúde também que estão adoecendo, além dos idosos. Todos nós temos um idoso na nossa família, todos nós temos alguém na família que tem uma hipertensão, uma diabete e uma cardiopatia. Isso tá se aproximando, tá chegando perto de nós, e precisamos nos resguardar. Infelizmente a gente tem que sair do isolamento, ir pros hospitais e ter que conviver com nossos familiares. Isso é um risco muito grande, esse é meu maior medo e, poder contaminar outras pessoas.
Auxiliar morre por Covid-19
No domingo (12), foi divulgada pelo governo, a morte de um profissional da saúde no Maranhão por conta da Covid-19. A paciente era auxiliar de enfermagem Maria Madalena Barbosa Souza, de 61 anos, que morreu após ficar internada no Hospital Carlos Maceira em São Luís. De acordo com a Secretaria de Estado da Saúde (SES), ela tinha diabetes e obesidade.

Maria Madalena trabalhava na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do Vinhais e no Hospital Municipal Djalma Marques em São Luís. Ela estava afastada desde o dia 20 de março do trabalho após apresentar sintomas da Covid-19. Nas redes sociais, ela chegou a participar junto com colegas da UPA do Vinhais da campanha 'Fique em casa'.
Quarentena
Por causa da evolução no número de casos, a proibição de funcionamento de diversos comércios e estabelecimentos no Maranhão foi mantida por tempo indeterminado, mas, segundo o Governo do Maranhão, será reavaliada semanalmente. A proibição de funcionamento afeta os seguintes segmentos:

Bares, restaurantes, lanchonetes e estabelecimentos congêneres;
Templos, igrejas e demais instituições religiosas;
Museus, cinemas e outros equipamentos culturais, público e privado;
Academias, clubes, centros de ginástica e estabelecimentos similares;
Lojas ou estabelecimentos que pratiquem o comércio ou prestem serviços de natureza privada;
“Shopping center”, galeria/centro comercial e estabelecimentos congêneres, salvo quanto a supermercados, farmácias e locais que prestem serviços de saúde no interior dos referidos dos estabelecimentos;
Feiras e exposições;
Indústrias, excetuadas as dos ramos farmacêutico, alimentício, de bebidas, produtos hospitalares ou laboratoriais, obras públicas, alto forno, gás, energia, água, mineral, produtos de limpeza e higiene pessoal, bem como respectivos fornecedores e distribuidores.
Ficar em casa é importante porque, segundo as autoridades de saúde, é a única maneira mais eficaz no momento para frear o aumento repentino no número de casos, o que poderia causar um colapso no sistema de saúde pela falta de leitos e de Unidades de Terapia Intensiva (UTIs).
Um colapso causaria a diminuição drástica da capacidade do sistema de saúde em cuidar dos pacientes, o que aumenta a chance de óbitos por Covid-19 e também por outras doenças.
Cuidados
Para evitar a proliferação do vírus, o Ministério da Saúde recomenda medidas básicas de higiene, como lavar as mãos com água e sabão, utilizar lenço descartável para higiene nasal, cobrir o nariz e a boca com um lenço de papel quando espirrar ou tossir e jogá-lo no lixo. Evitar tocar olhos, nariz e boca sem que as mãos estejam limpas.