Proposta apresentada pela equipe econômica, com pagamento mensal de até R$ 250, é rejeitada pelo presidente, que quer maior. Tema gera impasse em torno do programa.

Por G1 Vales de Minas Gerais

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido), disse nesta quarta-feira (26), em evento na Usiminas em Minas Gerais, que a atual proposta do Renda Brasil está suspensa. O programa é aposta do governo para turbinar a popularidade do presidente, mas enfrenta resistência da equipe econômica. Guedes sugere pagamento de até R$ 250, mas Bolsonaro quer valor maior.

"A proposta como apareceu para mim não será enviada ao parlamento. Não posso tirar de pobre para dar a paupérrimos", disse.

Com essa afirmação, Bolsonaro garantiu que não pretende tirar os recursos de outros programas para custear o Renda Brasil - que deve surgir como substituto do Bolsa Família.

Ele reafirmou também que vai manter o auxílio emergencial até dezembro - ainda sem valor definido -, mas destacou que o país precisa voltar a produzir.

"Ou o Brasil começa a produzir, fazer o plano que interessa a todos nós, que é o emprego, o melhor plano social que existe, ou estamos fadados ao insucesso", afirmou.

Religamento de forno

O presidente está em Ipatinga, onde participou da retomada das operações do forno 1 da siderúrgica Usiminas. O equipamento é um dos 3 operados pela gigante siderúrgica na cidade e estava parado desde abril, por causa da pandemia do coronavírus.

No evento, acompanhado por mais de 300 trabalhadores e pelos ministros Braga Neto e General Heleno, o presidente destacou a necessidade da participação do povo na retomada econômica do país.

"Não posso fazer milagre e conto com cada um dos brasileiros para que possam fazer o melhor de si para tirar o Brasil da situação difícil que se encontra, que não é de hoje. Precisamos gerar emprego, trabalhar, e que cada um, na medida do possível, busque seu sustento com o suor do próprio rosto", afirmou.

Agenda na cidade

Bolsonaro chegou à cidade por volta de 10h e esteve com apoiadores que o aguardavam. O presidente não usou máscara de proteção contra a Covid-19 - obrigatória no estado - e provocou aglomeração.

Após a visita às instalações da empresa, que ainda ocorriam por volta de 13h, o presidente é aguardado em evento pró-governo com simpatizantes.