Com o objetivo de conscientizar um maior número de pessoas sobre a importância de erradicar todo o tipo de violência praticada contra as mulheres, a Prefeitura de Raposa, por meio da Secretaria de Assistência Social(SEMAS), juntamente com a Coordenação da Mulher e o Centro de Referência Especializado da Assistência Social - CREAS, iniciou no sábado (07), a série da campanha Agosto Lilás, em alusão ao aniversário de 15 anos da Lei Maria da Penha (Lei Federal nº 11.340), criada para punir casos de violência doméstica e familiar contra mulheres. 

A campanha tem o objetivo de promover cada vez mais ações de prevenção, que possibilitem a diminuição dos índices de violência dentro do município. A programação conta com formação, palestras e apresentações culturais. O 'Agosto Lilás' surgiu para celebrar a criação da Lei Maria da Penha – sancionada em 7 de agosto de 2006.

As ações alusivas à Campanha Agosto Lilás, aconteceram na Igreja Assembleia de Deus, Ministério Caminhando com Cristo, no bairro Jardim das Oliveiras, a convite da missionária Maria  Delzilene Ferreira  Silva, esposa do Pr. Loeston e contou com a presença da primeira dama e secretária de assistência social, Cássia Barros, da coordenadora do Centro de Referência Especializado da Assistência Social (CREAS), Silvia Quintino Gomes Sampaio, e da psicóloga Brunna Cristina de Carvalho Costa. 

A Secretária de Assistência Social, Cássia Barros explicou que o município estará com ações intensas em prol da prevenção e combate à violência contra a mulher durante todo o mês de agosto. “Estamos trabalhando diuturnamente para que a informação e as nossas ações em alusão ao Agosto Lilás cheguem a todas as mulheres da nossa cidade. Para isso iremos realizar diversas ações como rodas de conversas, palestras e oficinas em benefício das nossas mulheres”, afirmou.

A palestra foi proferida pela Coordenadora do (CREAS), Silvia Sampaio que elencou sob os cinco tipos de violência: violência física, violência psicológica, violência moral, violência patrimonial e violência sexual e a psicóloga Bruna elencou sobre a violência psicológica que entrou para o código penal em 27/07 deste ano, que configura a caracterizada quando causar dano emocional à mulher que a prejudique e perturbe em seu pleno desenvolvimento ou que vise a degradar ou a controlar suas ações, comportamentos, crenças, decisões, mediante ameaça, constrangimento, manipulação, ridicularização, limitação do direito de ir e vir ou qualquer outro meio que cause prejuízo à sua saúde psicológica ou autodeterminação. 

A escolha do lilás como cor representativa para o mês não é em vão. O lilás “abraça” o simbolismo da luta mundial das mulheres pela igualdade de direitos e respeito, por ser uma tonalidade resultante da mistura das cores primárias azul e vermelho. O tom é conhecido como a cor da igualdade e foi, inclusive, a tonalidade escolhida pelas sufragistas inglesas na luta pelo direito ao voto, em 1908.

Denuncie

Denúncias de casos de violência domésticas podem ser realizadas pela vítima, familiares e amigos através dos números 180, da Central de Atendimento à Mulher, e pelo Disque Direitos Humanos: ligue 100. Nos casos de emergência, o pedido de socorro pode ser feito diretamente pelo 190. Os dados do denunciante são mantidos em sigilo.