Os trabalhadores do transporte urbano e semiurbano de São Luís decidiram, em Assembléia Geral realizada nesta quarta-feira,13, pela deflagração de greve por tempo indeterminado, a partir do dia 21 de outubro.

Na reunião, os profissionais debateram cláusulas da Convenção Coletiva de Trabalho e reclamaram que até agora uma proposta de acordo encaminhada SET não foi respondida satisfatoriamente.

Os Rodoviários pedem 13% de reajuste salarial; jornada de trabalho de seis horas; ticket alimentação no valor de R$ 800,00; manutenção do plano de saúde; além da inclusão de um dependente e a concessão do auxílio creche para trabalhadores com filhos pequenos.

Rodoviários e empresários já se encontraram em duas rodadas, mas em nenhuma delas, houve avanço.

“Exercemos atividade essencial, mas não somos reconhecidos, muito menos, respeitados pelos empresários, ao contrário, o que eles querem é acabar com os nossos direitos. Os patrões não querem garantir nenhum percentual de aumento no salário, nem no ticket alimentação e ainda querem acabar com a função de cobrador. Fomos expostos e nos arriscamos durante toda a pandemia. Não vamos tolerar, esse tipo de postura dos empresários. Sem uma proposta descente, vamos cruzar os braços sim!”, afirma Marcelo Brito, Presidente do Sindicato dos Rodoviários do Maranhão.