O prefeito eleito de São José de Ribamar, Júlio Matos – o Dr. Julinho (PL), e o vice-prefeito, Júnior Lago (Avante), foram diplomados nesta sexta-feira (18), pela Justiça Eleitoral. 

De acordo com o Tribunal Regional Eleitoral (TRE-MA), a diplomação encerra o processo eleitoral. Dessa forma, o ato habilita o eleito a tomar posse no respectivo cargo no dia 1° de janeiro de 2021.  

Pela primeira vez, o Cartório da 47ª Zona Eleitoral não realizou a cerimônia de diplomação como nos anos anteriores. 

Conforme o TRE, por causa da pandemia, neste ano não foi possível organizar a solenidade presencial. Dessa forma, o órgão instituiu, por meio da Resolução nº 9.763/2020, a emissão dos diplomados, pela internet. Assim, esse ato destina-se aos eleitos e suplentes, até a terceira colocação.   

Com o cancelamento do ato presencial, Dr. Julinho  obteve o diploma pela internet. Após a expedição do documento pelo sistema do TRE, o prefeito eleito compartilhou o documento em suas redes sociais e demonstrou a alegria e gratidão por ter sido escolhido pela segunda vez o prefeito da cidade.  "Hoje, sexta, 18, recebi o meu diploma como prefeito de São José de Ribamar. 

Não cabe em mim tanta alegria e gratidão! Gratidão a Deus, à minha família, amigos, ao meu vice Júnior Lago e a todo o meu povo querido e amado de São José de Ribamar!", declarou.  

Na sequência, vários internautas parabenizaram o futuro gestor numa publicação com mais de 26 compartilhamento, 59 comentários e mais de 140 curtidas.   

Para a internauta Erica Francisca, o diplomado merecido ao Dr. Julinho deixa os ribamarenses orgulhosos com a grandiosa conquista. “Todos os ribamarenses com certeza estão orgulhosos dessa grandiosa conquista”, disse.  

Na opinião do internauta Fabrício Mendes, o prefeito eleito é digno dessa vitória. “Parabéns, prefeito! Mesmo com tanta perseguição você conseguiu. Foi merecedor porque Deus já tinha preparado esse dia um abraço”, destacou ele na homenagem.   

A diplomação é o ato pelo qual a Justiça Eleitoral atesta que o candidato foi efetivamente eleito pelo povo e, por isso, está apto a tomar posse do cargo para o qual foi eleito. 

A solenidade fecha o ciclo eleitoral após votação, apuração e totalização dos votos.  De acordo com o Código Eleitoral, no diploma está o nome do candidato, a indicação da legenda sob a qual concorreu, o cargo para o qual foi eleito ou a sua classificação como suplente e, facultativamente, outros dados a critério do juiz ou do tribunal.  

A expedição dos diplomas ocorre nas 48 horas após o julgamento das contas do candidato eleito. Segundo o TSE, não é diplomado o eleito do sexo masculino que não provar quitação com o serviço militar obrigatório, nem o candidato vitorioso cujo registro de candidatura tenha sido indeferido, mesmo que ainda esteja sob apreciação judicial.