Como este Blog antecipou, a situação do PL no Maranhão está longe de ser o maior imbroglio para que o presidente nacional da legenda, Valdemar Costa Neto, e o presidente da República, Jair Bolsonaro, cheguem a um acordo definitivo.

Bolsonaro deve até ter tentado o comando do PL para o senador Roberto Rocha, que segue sem partido e aguardando uma definição do presidente da República.

No entanto, como o deputado federal e pré-candidato ao Governo do Maranhão, Josimar de Maranhãozinho, retirou o PL da base do Governo Flávio Dino, e poderia tranquilamente ter o senador Roberto Rocha como candidato a reeleição na sua chapa, o PL do Maranhão não é um problema para Bolsonaro.

O próprio Josimar, que é presidente do PL no Maranhão, confirmou a informação ao Portal Imirante.

“O Maranhão não é um problema para a filiação de Bolsonaro”, destacou.

Também ao Imirante, Roberto Rocha deixou claro que tem em Josimar um amigo e que não deseja comandar nenhuma legenda.

“Se for o PL estarei muito à vontade com Josimar, que é meu amigo desde o início de sua carreira política como prefeito. Além disso, o PL foi o meu primeiro partido, pelo qual me elegi deputado estadual. Não tenho o menor interesse em comandar partido”, disse Roberto Rocha.

Desta forma, se Bolsonaro não chegar ao PL, fatalmente não será por conta de algum embaraço no Maranhão, uma vez que Josimar de Maranhãozinho e Roberto Rocha demonstraram que podem conviver tranquilamente na mesma legenda e na mesma chapa.